Democratizando a socioexpografia
No último século, a civilização tem sistematicamente apoiado uma abordagem baseada no mercado para o desenvolvimento de ferramentas técnicas, financeiras, sociais e jurídicas que se concentram em eficiência, crescimento e produtividade. Desta forma, obtivemos progressos consideráveis ​​em alguns dos desafios humanitários mais urgentes, tais como erradicar doenças infecciosas e tornar a vida mais fácil e conveniente. No entanto, muitas vezes colocamos nossas ferramentas e métodos em uso dando pouca atenção aos seus efeitos sistêmicos ou de longo prazo e, assim, criamos um conjunto de problemas novos, interconectados e mais complexos. Os nossos novos problemas exigem novas abordagens: novas formas de compreensão, desenvolvimento de soluções e intervenções. No entanto, continuamos tentando resolver os novos problemas com as mesmas ferramentas que os causaram.

Para os entusiastas em teoria da complexidade e cibernética de segunda ordem, vale a pena acompanhar o trabalho desenvolvido por Joichi Ito, diretor do MIT Media Lab. Sua dissertação de doutorado esta acessível em:

www.practiceofchange.org

Uma curiosidade é que ele não tem diploma de graduação. Um cidadão pesquisador, empreendedor, além de professor visitante em várias universidades. Em grande parte devido a sua experiência empírica e ativismo em defesa a iniciativas baseadas no uso de tecnologias abertas a partir da internet.