Ciência 2.0 – é a ciência de acesso aberto o futuro?

A Ciência 2.0 refere-se geralmente a novas práticas de cientistas que publicam resultados experimentais, teorias nascentes, reinvindicações de descobertas e projetos documentais na Web para que outras pessoas possam ver e comentar.

Defensores dizem que estas práticas de “livre acesso” tornam o progresso científico mais colaborativo e, portanto, mais produtivo.

Críticos dizem que os cientístas que colocam resultados preliminates online correm o risco de que outros copiem e exporem os seus trabalhos para ganhar crédito ou mesmo registrar patentes.

Apesar dos prós e contras, os sites de Ciência 2.0 começam a proliferar. Um exemplo notável é o projeto OpenWetWare iniciado por  engenheiros biológicos da Massachusetts Institute of Technology.

Artigo completo na Scientific American: Science 2.0 – Is Open Access Science the Future?

Diigo – uma solução completa para anotações sociais

Descobrí que o Diigo implementou um conjunto de funcionalidades que o torna a aplicação de social bookmarks mais completa disponível. É possível: criar grupos de interesse para o compartilhamento de hiperlinks, acessar de forma distinta hiperlinks e bookmarks, armazenar trechos de artigos e criar notas sobre artigos, criar grupos temáticos para troca de hiperlinks baseados em tópicos em comum, ou criar ambientes para compartilhamento entre comunidades de pesquisa.

Também é possível migrar todo o conteúdo salvo em outras plataformas, como o del.icio.us. E através de sua barra de ferramentas, é possível publicar no del.icio.us e em outras plataformas de social boorkmars a escolha.

Quando e como armazenar a informação encontrada?

Finders, keepers? The present and future perfect in support of personal information management by William Jones

To keep or not to keep? People continually face variations of this decision as they encounter information. A large percentage of information encountered is clearly useless — junk e–mail, for example. Another portion of encountered information can be “used up” and disposed of in a single read — the weather report or a sports score, for example. That leaves a great deal of information in a middle ground. The information might be useful somewhere at sometime in the future. Decisions concerning whether and how to keep this information are an essential part of personal information management. Bad decisions either way can be costly…

Quando descobrí este conceito de gerenciamento das informações pessoais há uns dois anos atrás logo pensei: que tópico legal para ser explorado em uma pesquisa em Ciência da Informação que poderia ser agregado a teoria de Information Literacy.

Trabalho de Conclusão de Curso

Durante esta semana meu tempo será dedicado para escrever o meu trabalho de conclusão de curso. Um relatório de estágio de acordo com o meu currículo do curso de biblioteconomia. Estou selecionando algumas frases para a abertura dos tópicos do relatório:

1 Introdução
Pense como um homem que age. Aja como um homem que pensa. Henry Bérgson

2 Diagnóstico da Unidade de Informação
O melhor lugar para ter sucesso é onde você está, com aquilo que você tem. Charles Schwah

3 Desenvolvimento do Estágio
Você tem que refletir sobre as grandes coisas enquanto está fazendo as pequenas coisas, para que todas as coisas sigam na direção correta. Alvin Toffler

4 Considerações Finais
“Ponto de vista” é aquela solução quintessencialmente humana para a sobrecarga de informações, um processo intuitivo de reduzir as coisas a um mínimo essencial, relevante e administrável… Num mundo de conteúdo hiperabundante, o ponto de vista se tornará o mais escasso dos recursos. Paul Saffo

Biblioteconomia Baseada em Evidências e Práticas de Informação

Uma publicação muito interessante. Esta linha editorial de publicação que falta em lingua portuguesa, para colaborar com o aprimoramento do exercício profissional da categoria.

Evidence Based Library and Information Practice.

Evidence Based Library and Information Practice seeks papers on all areas of this topic including:

* EBL application
* Qualitative and quantitative research
* Harnessing evidence to support new innovations
* Developing and applying evidence based tools
* Management and administration issues related to EBP
* Research tools (statistics, data collection methods, etc.)
* Collaborative and InterProfessional EBP
* Research education in graduate schools of library and information studies
* Evidence-Based Practices from other disciplines applicable to EBL
* Maximizing the value and impact of our information services
* Future prospects for the evidence based information profession